A falta de lubrificação vaginal

A falta de lubrificação vaginal

Por Dr. Ezequiel López Peralta

A lubrificação e a dilatação vaginal constituem duas manifestações genitais da excitação sexual feminina. Quando a dificuldade na lubrificação vaginal é gerada por uma causa psicológica e/ou médica, a penetração é pouco prazerosa e até dolorosa. O transtorno da excitação sexual feminina consiste precisamente nessa dificuldade, sempre que ocorrer em uma porcentagem significativa das relações sexuais (ao menos, uma em cada quatro) e durante um período mínimo de seis meses.

Para ilustrar esta preocupação, comum a muitas mulheres, selecionei alguns depoimentos enviados a este blog.

Tenho 20 anos, minha vida sexual começou há quatro anos e estou namorando há cinco. Quando temos relações, não sinto nada: não me excito e praticamente não tenho lubrificação. O que posso fazer para resolver este problema? Como posso controlar a secura vaginal?

Tenho 19 anos e tenho relações há mais de um ano. Após cinco meses de namoro, eu e meu namorado perdemos a virgindade juntos, mas há dois meses não tenho vontade de ter relações sexuais. Ainda assim, continuo a transar com ele, como se fosse uma obrigação. Mas quando temos relações, sinto muita dor no estômago e no útero. Também não tenho boa lubrificação, minha vagina fica muito ressecada e dolorida. Temos que parar, e então ele se masturba até terminar. O que devo fazer?

Em geral, pensamos que esse tipo de problema só ocorre depois de certa idade, ou durante a menopausa, com todas as alterações hormonais típicas dessa fase. No entanto, estes depoimentos são de mulheres jovens.

Nas mulheres que passam pela fase de pós-menopausa, grande parte do transtorno de excitação sexual se deve a fatores médicos. A terapia de reposição hormonal é uma opção terapêutica, que deve ser discutida e orientada por um especialista.

No entanto, entre mulheres mais jovens, é bem provável que o problema se deva a problemas psicológicos, desarmonia entre o casal ou estimulação sexual inadequada. Muitos fatores podem interferir na lubrificação vaginal: a ansiedade em relação ao rendimento sexual, o medo de sentir dor, de uma gravidez indesejada ou de contrair doenças sexualmente transmissíveis, poucas preliminares, brigas de casal, entre outros. De qualquer forma, é importante fazer exames médicos para descartar causas orgânicas, como alterações hormonais, efeitos colaterais de medicamentos e infecções vaginais.

O tratamento pode contemplar diferentes alternativas. Além da terapia de reposição hormonal já mencionada, exercícios de relaxamento, variações de tempo e de qualidade do estímulo sexual, antibióticos, medicamentos antiansiolíticos e lubrificantes íntimos solúveis em água são as intervenções mais comuns.

Publicidade

Publicidade