Dúvidas Sexuais Femininas

Perguntas e Respostas

Por Dr. Ezequiel López Peralta

É ruim fazer sexo todos os dias?

A atividade sexual frequente é, em geral, saudável quando corresponde às expectativas de ambos. O desejo de ter relações sexuais diariamente não é ruim quando a pessoa o canaliza de maneira satisfatória (por exemplo, masturbando-se ou mantendo relações com uma pessoa pela qual sinta alguma atração), e, claro, quando o desejo não se torna uma obsessão que exija orientação e tratamento. Às vezes, o ritmo sexual dos parceiros é muito diferente, o que denominamos “disritmia sexual”. Quando isso acontece, a pessoa com menor ritmo costuma criticar o parceiro fazendo com o que o mesmo acredite que sua necessidade é excessiva.

Sou mulher e tenho 22 anos. Namorei por quase 5 anos e acabei terminando por diversos motivos, entre eles a falta de intimidade na relação. Fiz de tudo para que isso melhorasse, mas chegou a um ponto insuportável. Depois de algum tempo, conheci outro homem que faz com que eu me sinta desejada. Ainda não transamos, mas tivemos momentos íntimos. Gosto tanto desses momentos que já cheguei a me masturbar pensando nele. Isso nunca tinha acontecido e, tocando meu corpo, descobri algo que me deixa envergonhada. Quando fico muito excitada, ejaculo. Minha vagina expulsa um líquido parecido com urina, mas que não é urina, é transparente. Só de pensar que isso poderia acontecer diante de outra pessoa fico com medo de ser rejeitada. Isso é bom ou ruim?

Algumas mulheres me escrevem porque não ejaculam e querem saber se isso é normal. Você está me contando que tem vergonha dessa ejaculação e que se sente anormal por isso. É impressionante como a mesma coisa pode causar reações tão diferentes. Muitas mulheres ejaculam, ou seja, liberam um líquido pela uretra que não é urina. Há muitas estatísticas, algumas, inclusive, que apontam que 75% das mulheres ejaculam – mas muitas não percebem. Meu conselho é que você aceite essa resposta como algo positivo que indica grande intensidade de prazer. Tenho certeza de que seu parceiro verá a ejaculação como algo positivo.

Com que idade é aconselhável dar início à vida sexual?

Eu não posso dizer uma idade exata, já que há muitos aspectos a serem considerado para a iniciação sexual. É preciso, antes de tudo, que o corpo tenha uma estrutura adulta. Cada homem e cada mulher se desenvolve de maneira diferente nesse sentido. Isso depende da genética, da alimentação, do estilo de vida, etc. Também é importante alcançar a maturidade psíquica, ter a capacidade de escolher o momento e a pessoa ideais e saber dizer “não” quando não se sentir à vontade. Por fim, é preciso sentir um desejo imenso de perder a virgindade e ter responsabilidade para evitar consequências indesejadas.

Tenho 28 anos, perdi a virgindade muito cedo, mas tenho dificuldades de chegar ao orgasmo. Muitas vezes, pra não dizer sempre, não chego ao clímax e, quando chego, só chego uma vez. Raramente sinto tesão duas vezes na mesma noite. Também demoro muito para ficar excitada. Preciso urgentemente de um conselho, não sei o que acontece comigo!

A preocupação em relação ao orgasmo é, provavelmente, a mais comum entre as mulheres. Por isso, você pode encontrar neste blog várias informações a respeito. Em geral, os homens atingem o orgasmo de maneira natural e espontânea. Já as mulheres precisam aprender a chegar ao clímax, por isso, mais que dicas ou fórmulas, você precisa de informação, de conhecimento das próprias áreas erógenas – principalmente do clitóris – e de tranqüilidade durante o sexo. Não exija demais de si mesma! Lembre-se de que não é necessário ter muitos orgasmos, a maioria das mulheres se satisfaz com um só.

Tenho 27 anos e estou casada há quase dois. Desde o segundo mês de matrimônio, meu marido diminuiu nossa frequência sexual. Conversei com ele sobre isso e ele me disse que estava deprimido por não encontrar trabalho. Temos relações a cada três meses, mais ou menos. Quando digo que o sexo é importante pra mim, ele perde a paciência e pergunta se só me casei com ele por isso. Estou desesperada porque ele não entende que é uma necessidade.

É comum os homens perderem o interesse sexual quando se sentem “improdutivos”. Mas isso também pode ser uma desculpa para ocultar outros motivos. Até mesmo a pressão que você exerce com os comentários, críticas e reprovações podem contribuir para o problema e fazer com que seu marido te evite. Considerando que podem ser muitos os motivos dessa falta de desejo, talvez seja melhor procurar um especialista em sexologia. Sugiro que deixe de falar com seu marido sobre isso por um tempo, tire férias… Só então procure um bom momento para conversar, mas de maneira positiva, dizendo, por exemplo, que se sente muito atraída por ele. Se ele não aceitar num primeiro momento, masturbe-se, isso vai permitir que você controle a ansiedade e veja o problema de outro ponto de vista.

Publicidade

Publicidade